Vocação da Vida Natural

"Quando, porém, ao que me separou... aprouve revelar seu Filho em mim...", Gal.1.15,16

O chamamento de Deus não é um chamado para uma determinada obra; a interpretação que faço dele, é que pode ser que meu contacto com a natureza de Deus me tenha feito perceber o que eu gostaria de fazer por ele. O chamado de Deus é essencialmente a expressão em sua natureza; o serviço é fruto do chamamento que mais se ajusta à minha natureza
como criação. A vocação da vida natural é tida pelo apóstolo Paulo da seguinte maneira: "Quando, porém, ao que me separou... aprouve revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios".

Meu labor para Deus é o derramar do cálice duma superabundante devoção; mas, num outro sentido mais profundo, não há nenhum chamado especial para isso acontecer; trata-se do meu próprio dever pessoal, que é o eco de minha identificação com a natureza de Deus. Servir é parte natural e consequente de minha vida. Deus me coloca num relacionamento com ele pelo qual compreendo o seu chamar e então passo a trabalhar para ele voluntariamente simplesmente por amor a ele. Servir a Deus é uma dádiva consciente do amor, de uma natureza que ouviu o chamamento dele; é a expressão daquilo que é próprio em mim. O chamado de Deus é a expressão da sua natureza; consequentemente, quando recebo sua natureza e o ouço, a voz da natureza divina ressoa em ambos e os dois cooperam em entendimento conjunto. O Filho de Deus manifesta-se em mim e, por devoção a ele, eu o sirvo através de todos os meios comuns de minha vida pessoal.
Previous
Next Post »

1 comentários:

Click here for comentários
Postar um comentário
Thanks for your comment