A banalização do ato de “aceitar a Jesus”

Por: Miss. Rosivaldo
“E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem;” (Hb. 5.9)
“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor.” (At. 3.19)
“Se há um fato, uma doutrina ou promessa na Bíblia que não produziu nenhum efeito prático em seu temperamento ou conduta, tenha certeza de que você não creu sinceramente” (Payson citado por Spurgeon em Preparados Para o Combate da Fé).

O que significa de fato aceitar a Jesus?

Pelo que estamos vendo hoje, há bastante dificuldade em entender o que é realmente aceitar a Jesus.
Antes de falarmos alguma coisa sobre o que significa aceitar a Cristo, quero dizer o que isso não significa.

Primeiro, aceitar a Jesus não significa fazer adesão por uma denominação, mesmo que ela seja genuinamente cristã. Embora geralmente quando se aceita a Cristo haja certa necessidade de se ligar a uma igreja cristã para crescimento, comunhão e maturidade, o simples fato de está frequentando ou compondo o rol de membros não quer dizer que você verdadeiramente aceitou a Jesus.

Segundo, o aumento do seu teor de conhecimento bíblico não é evidência de que você aceitou de fato a Jesus. Reconhecemos que uma das principais fontes do conhecimento de Cristo são as Escrituras, pois Ele mesmo disse que são elas que Dele testificam (Jo. 5.39), no entanto o mero conhecimento intelectual da pessoa de Cristo não quer dizer que o portador do tal conhecimento já O tenha recebido em sua vida.

Terceiro, o individuo que foi batizado não está credenciado a uma clara prova de ter aceitado o Senhor. E isso não quer dizer que ele já o tenha feito. O batismo deve sempre ser entendido como uma clara ordenança do Senhor para todos os que creem (Mc. 16.16), mas nem todos os que são submetidos a este solene ato estão verdadeiramente vivendo na aceitação do Senhor Jesus.

Quarto, o preparo intelectual para exercer funções não são provas cabais de uma pessoa ter aceitado a cristo. O fato de alguém ter entendido os assuntos concernentes ao reino de Deus a tal ponto de saber expô-los a outros não quer dizer que ele está sob o senhorio de Cristo.

Quinto, uma pessoa não aceita a Cristo pelo fato de ir à frente atendendo a um convite evangelístico. Embora a confissão pública seja importante, a aceitação pessoal e intima é de uma importância muito maior. E o futuro com Cristo aqui na terra e na eternidade será determinado pela perseverança na sua aceitação pessoal e não pública.

Sexto, o reconhecimento dos méritos de Cristo para perdoar pecados e salvar pecadores arrependidos não dá garantia a alguém de ter aceitado o Senhor Jesus como salvador. Que o reconhecimento dos méritos de Cristo sempre antecede a conversão é fato inegável, mas o ensino bíblico é claro quando desafia-nos a não somente reconhecer, mas principalmente nos submeter ao senhorio de Cristo. Embora esse reconhecimento seja mui valoroso, ele não pode substituir a confissão, a fé, o arrependimento e a conversão.

Ora, se todas essas coisas não são evidências conclusivas de ter aceitado ao Senhor como seu rei e Salvador, o que então significa aceitar a Cristo?
Aceitar a Jesus é aceitar o compromisso de ser feliz deixando Jesus orientar e conduzir a sua vida em todos os momentos e situações.
Quando você aceita a Cristo, Ele passa a se responsabilizar por você e lhe ajuda a vencer suas tentações, evitar o pecado e fazer a vontade de Deus.
Muitas pessoas dizem que já aceitaram a Cristo em suas vidas, mas quando você pergunta: “Para onde você vai quando morrer?” elas respondem: “Deus é quem sabe!”. Mas a Bíblia diz que o desejo de Deus é que todos sejam salvos. I Tm. 3.4,5.
As pessoas sempre dizem que já tem Jesus, mas não conhecem a vontade de Deus que está em sua palavra. Às vezes muita gente diz que Deus é tudo para elas, mas não conseguem largar seus vícios, será que Jesus é mais importante que os vícios delas? Então porque elas não os deixam?
Tem gente que diz que já aceitou a Jesus, mas só se lembra de Deus no natal ou na quaresma, será que isso é aceitar a Jesus?

Aceitar a Jesus envolve três coisas:

Primeiro, receber a Jesus, as palavra receber e aceitar são sinônimos. Mas, vale salientar que aceitar é uma escolha mental e receber é uma ação concreta. Isso significa dar a Deus o direito e a oportunidade de trabalhar em sua vida. João 1.11-13. Quando rebemos a Jesus, recebemos Ele, sua vontade e o estilo de vida que nos oferece.

Segundo, aceitar significa crer em Jesus e crer sempre envolve obedecer. Hb. 5.9;

Terceiro, nascer de novo, o novo nascimento envolve: nascer da água, isto é, ser purificado do velho modo de viver e nascer do Espírito, ou seja, ser cheio de uma nova vida, um novo estilo de conduta conduzido e determinado pelo Espírito Santo.

Então o que prova que alguém aceitou a Jesus de verdade é que sua vida é governada por Deus. Sua vida não é igual à de uma pessoa que não tem Deus, pois a vontade do Senhor é cumprida por quem o recebe.
Logo acima esclarecemos seis questões que confundem a mente das pessoas com relação ao que realmente implica receber o Senhor. Essa confusão que as pessoas fazem é danosa para suas vidas e para as igrejas a que estão ligadas.
Para suas vidas por mantê-las estagnadas, podendo impedir que recebam a gratuita salvação de Deus. Danosa para as igrejas por estarem em falta com respeito ao tipo de evangelho que estão pregando.
A banalização do ‘receber a cristo’ tem sido algo muito avassalador dentro das denominações evangélicas e precisamos acabar com isso. Pois Deus encara isso com sinceridade e precisamos também encarar assim, caso contrário estaremos apenas brincando de ser cristãos e quando essa brincadeira acabar, pode ser muito tarde!



Por: Missionário Rosivaldo Gospel Mais-estudos
Previous
Next Post »
Postar um comentário
Thanks for your comment